Windows Live Messenger + Facebook

segunda-feira, 30 de abril de 2012

HISTÓRIA DA REGIÃO DOS LAGOS UNAMAR CABO FRIO




HISTÓRIA DA REGIÃO DOS LAGOS
Unamar
                                                                                   I - Localização de Unamar
Unamar pertence ao 2º distrito de Cabo Frio no estado do Rio de Janeiro e localiza-se no km 135 da rodovia Amaral Peixoto e está localizada na Latitude de 22º 38' 51,61" Sul e Longitude 42º 00' 04,46" Oeste, na conhecida Região dos Lagos.

II - Pré-história da Região dos Lagos
A Pré-história da Região dos Lagos foi pesquisada por diversos arqueólogos brasileiros desde fins da década de 1950, concentrando-se principalmente nos sambaquis e os rochedos sulcados do Morro da Guia. Estudos recentes defendem que diversas populações indígenas que viveram durante um longo processo temporal ocuparam a região, os quais estavam bem adaptados ao ecossistema litorâneo e podem ser divididos em cinco períodos culturais. Em cada mudança sócio-cultural ocorreram migrações e invasões de novos grupos humanos conduzindo a lutas interpessoais e violência entre as tribos tradicionais versus as novas.


O povoamento original do Estado do Rio de Janeiro se iniciou por bandos de caçadores e recoletores que ocuparam tanto o extremo Norte Fluminense quanto da parte Sul. Tudo isso já ocorria há cerca de 10.000 anos atrás. As hipóteses tradicionais consideravam que os primeiros homens que ocuparam a região eram povos nômades bem adaptados a uma área de relevo movimentado de densa vegetação ou grupos de planaltos com cobertura vegetal de cerrado. Mas, os dados atuais revelam que foram bandos de sambaquis bem adaptados ao litoral carioca desde pelo menos 8.000 anos atrás. Sendo base desta subsistência a coleta de mariscos e moluscos generalizados e caçadores de fauna marinha.

III - Os sambaquis
No período Lítico I (6.000-4.200 a. C.), os sítios sambaquianos pré-cerâmicos da região estariam longe do litoral atual porque o nível marinho havia baixado quase 20 m, recuando o mar mais de 3 a 25 Km da orla atual. Contudo, os sítios sambaquis mais antigos do litoral centro meridional, como Camboinhas de Itaipu (7.958 + 224) e Itaboraí (8.100 + 75) estudadas por Lina Kneip na década de 80 e o Sambaqui de Maratuá (7.803 + 1.300), em São Paulo, incluindo o recente sítio descoberto de Sambaqui do Algodão em Angra dos Reis, se localizam neste período. Porém, tais evidências indicam a presença de grupos humanos na periferia da Região dos Lagos.


Durante o período Optimum Climaticum (6.000-3.000 a.C.), aconteceu, na região, diversas mudanças climáticas e geomorfológicas, chuvas torrenciais, fortes subidas do nível marinho, ventos rasantes, calor arrasador, formação de dunas, expansão da floresta, surgimento da Lagoa de Araruama, extinção da fauna pleistocênica, migrações humanas e aparição de doenças infecciosas e estresses pela adaptação biocultural. As teorias das primeiras ocupações culturais indicam duas possíveis rotas de chegada: uma através do litoral marinho e outra desde o interior da Serra do Mar. André Prous (1991)  considerou que o povoamento do Rio de Janeiro haveria sido mais fácil com uma expansão do sul para o norte, em terras hoje submersas, de clima menos frio e maior possibilidade de provisionamento do grupo. Mas, os dados arqueológicos indicam que já existia uma preocupação cultural de sambaquis na periferia da região desde pelo menos 8.000 anos a.P.


Para entender o período Lítico II (4.200 – 2.200 a.C.) existem quatro hipóteses alternativas sobre as origens do povoamento humano para a Região dos Lagos, cuja essência defende a existência de um modelo de subsistência litorânea que já ocorria desde 8.000 anos a.P. para o Estado do Rio de Janeiro, principalmente de grupos sambaquis.Aquelas populações tinham uma economia baseada na coleta de recursos marinhos, o que serviu de sustento durante milênios, adaptando-se bio-culturalmente ao meio da costa Atlântica. Eles se dinamizavam desde o litoral ao interior segundo as estações do ano, em forma cíclica quando mudavam as condições ambientais. Aliás, o sustento do ambiente litorâneo sempre foi a principal fonte de proteínas em base de mariscos e peixes, complementado com a caça menor de anfíbios, répteis e aves marinhas.


 A vida cotidiana de um sambaquiano desenvolveu-se nas praias, coletando basicamente conchas (Anomalocardia brasiliensis) e ostras. Os homens instalavam as choupanas, que eram choças pequenas e circulares de até 6m de diâmetro para abrigar uma família nuclear e localizadas sobre as dunas formando os sambaquis e proteger-se dos ventos do sul. Possuía canoas monóxilas beirando na enseada delimitada por pequenas elevações rochosas e semeada de ilhotas, subiam o curso do rio Itajurú até pontos aonde a água é doce na hora da maré baixa, exploravam os recursos aquáticos durante vários milênios caçando araras, papagaios, macacos, répteis, antas e porcos do mato. As mulheres locomoviam-se às restingas para coletar frutos, folhas, lenhas e raízes para complementar sua dieta. A água doce era armazenada em potes de cabaça. As crianças brincavam no mangue e coletavam crustáceos, conchas e ovos de tartarugas. No entanto, as mulheres cozinhavam os peixes semicrus e condimentados de sal grosso e pimenta.


Alguns enterramentos humanos primários exibem oferendas de conchas e corante vermelho, quiçá urucum, pingentes de conchas e colares de vértebras de peixes. Nos sítios de Arraial do Cabo foram localizados sepultamentos em posição fetal, sentados em pequenas covas cônicas, fortemente tingidas de ocre, com acompanhamento funerário de artefatos líticos e objetos de adornos feitos sobre ossos e dentes. Também elaboravam ritos de cremação como nos enterros de Moa, Pontinha e Beirada, em Saquarema, onde os mortos eram decorados com pintura facial e corporal , adornados com colares de dentes de animais e sementes. Também colocavam objetos de pedra como almofarizes e machados. É possível inferir que haveria um culto aos mortos, cujos espíritos os protegiam das chuvas torrenciais, calamidades, pragas e doenças. Enfim, os sambaquianos eram sedentários, soberanos da costa e ocuparam principalmente a mata litorânea.

IV - A cultura da Região dos Lagos
Esta nova etapa cultural perdurou entre 2.200 a.C. – 1 d.C., se estendeu na região, basicamente nos municípios de Cabo Frio, São Pedro d’Aldeia e Búzios, durante o período conhecido como Arcaico. Este período se caracterizava pela introdução da horticultura na região, principalmente da mandioca, incremento demográfico e ausência de cerâmica. Ademais, surgiram os almoxarifes, batedores, bigornas e moedores, indicadores de um consumo permanente de plantas e preparação de farinha.
                
Em 1962, Ondemar Dias Jr. publicou a presença de diversos montículos litorâneos em Cabo Frio e Arraial do Cabo que tinham semelhanças com o famoso sítio arqueológico de Sambaqui de Itaipu, localizado na praia de Niterói, formulando a famosa hipótese da fase Itaipu que foram englobadas no período Arcaico e admitiu que as primeiras populações humanas da Região dos Lagos procediam do interior, das serras do Rio de Janeiro. Refere que a fase Itaipu A, conformada pelos sítios Corondó, Malhada e Angelim, entre Cabo Frio, São Pedro d’Aldeia e Búzios, constituíam centros de populações humanas que estavam bem adaptadas num ambiente lacustre e de restingas. Aliás, nesse momento o nível marinho havia subido 2m acima do atual, favorecendo a inundação do pântano da Malhada e do ingresso de cardumes e baleias que atingiu até Campos Novos, todo rodeado de mata Atlântica.


Os sítios de Corondó, localizado em São Pedro d‘Aldeia, e Malhada, em Cabo Frio, possuem uma antiguidade de 2.300 a 1.000 a.C. e contêm cemitérios indígenas pertencentes a tribos horticultores de mandioca e sem cerâmica, contemporâneos com sítios de  pescadores dos sambaquis do litoral cabofriense. Nesse período, a zona era rica em peixes lacustres, aves marinhas, anfíbios, mamíferos e répteis. Localizava-se dentro de uma extensa mata Atlântica. Muitos peixes podiam ser apanhados com as mãos. Constatando uma alteração de padrões de subsistência como o aumento de consumo de moluscos, principalmente berbigão, e diminuição do tamanho dos peixes (pescada, bagre, corvina, miraguaia) e complementado por aves e mamíferos. A indústria lítica decaiu e surgiu uma exuberante indústria sobre osso e concha. Nos sambaquis, a base de sobrevivência muda sensivelmente, passando a um consumo generalizado de muitas espécies de moluscos, principalmente de espécies jovens. A indústria sobre osso e concha perde importância, surgindo uma abundante produção sobre lascas de quartzo hialino. Aqueles sítios-sobre-dunas localizavam-se em praias de mar aberto, onde a existência de morros cristalinos impõe uma curvatura mais acentuada ao litoral, onde a ressurgência marítima ocorria com maior intensidade. Favorecendo a intensa proliferação de plâncton, gerando uma cadeia trófica de numerosas espécies marinhas e acabando por transformar tais áreas em viveiros naturais, onde a pesca e a coleta de moluscos ficava extremamente facilitada.


Sobre as relações sociais entre os sambaquis e os Araruama (Itaipu) existem dúvidas enquanto a sua posição cronológica. Mas, para nós aqueles homens seriam descendentes dos mesmos sambaquianos do litoral, ora mais adaptados ao ambiente lacustre onde experimentaram a domesticação da mandioca (carboidrato) que serviam num início de complemento a abundante dieta de proteínas marinhas. Os primeiros confrontos violentos entre ambos os grupos começaram por volta de 2.000 anos a.C. Tribos de horticultores Itaipu que conviveram com grupos sambaquianos tiveram pressões de seleção e contato cultural. Os estudos paleopatológicos realizados no sítio do Corondó (2.250 – 1.150 a.C.) demonstram maior freqüência de lesões traumáticas, predominando as fraturas causadas por tensão, compressão e torção, algumas como conseqüência de quedas (fraturas de Colles), principalmente entre as mulheres, e outras provavelmente por golpes diretos causando infecções posteriores, notadamente entre os homens. Aquelas lesões traumáticas são indicadores de ações violentas que permitem a comparação entre populações. Este fenômeno biocultural ocorreu entre fins do período Lítico II e o início da fase Itaipu, provavelmente entre os recoletores-sambaquis e os horticultores-Araruama. Aliás, Tânia Andrade Lima, em 1995, indicou que os pescadores das  ilhas do litoral do Rio de Janeiro, como na Baía da Ribeira, em Angra dos Reis, e na ilha de Santana, em Macaé, ocupados durante esse período, sofreram pressões sociais desvantajosas.

V - A sociedade Una
Durante os primeiros séculos de nossa era surgem os grupos Una, que eram tribos aguerridas de horticultores e ceramistas, ocupando progressivamente o litoral. Este período cultural chama-se Formativo (1 – 700 d.C.). Sua origem parece ter ocorrido no território do  norte mineiro e Goiás Meridional. Nos sítios de Monte Carmo, em Goiás, com datação de 3.800 a.P. (1.850 a.C.) e Lapa do Gentio, perto de Unaí, MG, e datado de 3.490 a.P. (1.540 a.C.). Em ambos os sítios, a cerâmica apresenta um antiplástico de fibras vegetais chamado “cariapé”. Tais povos se distribuíam numa vasta região brasileira que incluía os Estados da Bahia, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Pernambuco. O milho parece estar presente em Gentio, junto com o amendoim, cabaça, feijão, jatobá e coquinhos, associados a sepultamentos em covas. Não foram encontrados sinais de caça nem de pesca, o que indica que eram povos basicamente agricultores.


Na região de Cabo Frio, as tribos Una começaram a chegar, subindo o curso do rio São Francisco e do rio Grande até alcançar as cabeceiras da Serra do Mar e daí descer a vertente Atlântica, concentrando-se nas beiras dos rios Una e São João. Nos vales dos rios Una e São João, eles cultivavam milho e feijão e por vezes complementada por mandioca para fabricação de farinha e parece não haver sido cultivado a mandioca-amarga. Alguns arqueólogos indicam que esta ocupação ocorreu em torno do século V de nossa era e admitem, aliás, que a chegada da cerâmica Una não implicou nenhuma mudança na economia regional e cuja introdução na Região dos Lagos foi pacífica nos grupos litorâneos Itaipu. Mas, observando as ossadas humanas podemos perceber violências interpessoais. Sua cerâmica também está presente nas camadas superiores dos sítios Corondó, Malhada e os sambaquis de Araruama. Provavelmente, caracterizando o momento em que grupos do período Formativo introduziram a tecnologia da cerâmica e a  agricultura incipiente.


Estas populações humanas tinham dentes em forma de pá, indicador de descendência do tronco asiático oriental ou mongolóide, próprio das tribos amazônicas. Sua vida média era de 35 anos de idade. A estatura média era de 1.55-56 m para os homens e de 1.46 m para as mulheres (estatura baixa). No entanto, os Una de Minas Gerais tinham uma estatura maior, de 1.62 m para os homens e 1.50 m para as mulheres. Esta queda de estatura é um indicador de adaptação a um clima úmido e frio que lhes permitia manter o calor corporal tal como os povos altoandinos e do Himalaia. No entanto, a craniometria nos esqueletos do sítio de Massambaba, no Arraial do Cabo, revelou que tinham o tipo mesocrânio, produto de miscigenação com grupos locais.


Sua cerâmica está caracterizada por ser de pasta negra, com vasilhames pequenos (diâmetro máximo, no bojo, de 25 cm), globulares, cônicos e piriformes, de abertura constrita com um pequeno gargalo. Os sítios cariocas formam duas fases: a primeira “Una", pouco pesquisada na região, apesar de ter dado nome a uma tradição tão ampla pelo sítio original do rio Una, ocupando uma área de 5 Km de diâmetro no litoral. A outra fase, “Mucuri”, melhor estudada, parece não haver desenvolvido sua economia de uma exploração dos recursos marítimos, ficando no contato entre a planície litorânea e a encosta da Serra do Mar. Das quase vinte jazidas registradas pelo Instituto de Arqueologia Brasileira, somente cinco são de habitação, todas ocupando o fundo de vales; enquanto as outras são lugares de  sepultamento: abrigos de encosta meia e grutas já na região das escarpas.


Esta fase perdurou até o advento dos europeus, sendo correlacionada, de forma tentativa, aos Goitacás. Embora a olaria pareça estar associada a um novo padrão de organização das aldeias da região, principalmente casas ao ar livre e enterramentos-sob-rochas. Esses esconderijos geralmente aparecem a 200 m ou mais acima do nível do vale, marcam uma clara separação entre o mundo dos vivos (embaixo) e dos mortos (em cima). Os ossos estão depositados dentro de pequenas urnas funerárias. Estas cerâmicas tem a forma do fruto “sagrado” da sapucaia (Lecythis olaria), uma árvore do país dos mortos, na  crença dos índios Puris da região. Às vezes, estão depositadas com ocre-vermelho ou urucum (Bixa orellana), tabaco e tomates silvestres. Eram enterramentos secundários constituídos por ossos fragmentados, misturados e incompletos. Os poucos enterramentos primários estão em posição de semiflexão e pintados de cor rosada. Junto aos esqueletos também aparecem inúmeros adornos: contas de osso de aves, contas vegetais feitas de grãos de capim-navalha, alternando Com  grãos pretos e ossinhos, dentes caninos de macacos, anéis e pingentes feitos de casca de caramujos gigantes da famíliaStrophocheilidae.
Tinham cestos, colares e pulseiras, enfiados em quádruplos cordões, feitos de sementes, de dentes de mamíferos ou de pequenas conchas perfuradas. Possuíam tortuais de fuso de cerâmica indicando a fabricação de tecidos, confirmada pelos achados de algodão (Gossypium bardadense). Fabricavam pequenas redes de algodão (tipóias) que eram feitas por meio de técnicas semelhantes às de cestaria, espiralada com fio tecido, ou espiralada com a única nappe. Também tinham cabaças provavelmente, para cantil, ou uso como pequena bolsa, e aparecem varas de cerne de coqueiro, que talvez servissem de “bastão de comando”. As lascas cortantes de quartzo da cultura Araruama foram substituídas por fibra vegetal de taquara ou saquara, mostrando uma adaptação mais completa à floresta.


Algumas ossadas de enterramentos secundários, descarnados e cremados, evidenciam marcas de mordedura humana. Isto faz crer que eles praticavam a antropofagia ritual. Os estudos paleopatológicos indicam que os homens tinham maior desgaste nos cotovelos, quiçá por uso freqüente de lanças e machados de limpeza das roças, no entanto, as mulheres apresentavam desgastes nos joelhos e maior osteofitose das vértebras lombares que seria um indicador pela atividade da agricultura. Sofriam de espondiloartrose e osteofitose vertebral, além de cáries dentárias (14%), cistos e granulomas, produto de atividades agrícolas e elevado consumo de carboidratos e de amido. A ocorrência de facetas supranumerárias nas tíbias sugere que os indivíduos praticavam a posição de cócoras ou ficavam freqüentemente ajoelhados. Predominam as do corpo do externo (problemas congênitos) por serem grupos endógamos.


Sobre a vida religiosa e espiritual dos Una podemos aproximar-nos com o estado dos petróglifos do Morro da Guia, construídos durante esse período. Um enterramento coletivo, ocorrido no século XI d.C., era um cemitério da fase Una e início dos Tupiguarani, e pelo alto índice de fraturas cranianas, foi inferido ser conseqüência de atividades guerreiras, confirmando a hipótese que os Una foram invadidos pelos Tupinambás.

VI - Os Tupinambás
A chegada de grupos guerreiros de língua Tupi-guarani, mais conhecidos como Tupinambás, à região de Cabo Frio marcou um período de conflitos sociais frente os Una  pelo controle econômico da Lagoa de Araruama, do centro religioso do Morro da Guia e seus diversos recursos ecológicos. Este fenômeno pré-histórico ocorreu entre 700-1.400 d.C., aproximadamente.


Segundo os cronistas portugueses, os Tupiguaranis eram consideradas as populações nativas “mais evoluídas” do litoral brasileiro pelo que formavam uma grande confederação que chamaremos de chefia. Um nível incipiente de Estado. A cerâmica Tupiguarani se caracteriza por sua policromia sobre fundo engobado branco. Pela ampla distribuição desta cerâmica, pode-se acreditar ter sido uma tradição pan-brasileira, que consideramos ser um horizonte cultural que se originou na Amazônia e se estendeu por todo o litoral brasileiro.


Donald Lathrap e os Evans sustentaram a hipótese de que o centro original devia ser procurado na Amazônia brasileira, indicando que sua expansão começou a ocorrer há 2.800-2.500 a.P. Eles admitem também que as sete famílias do grande tronco Tupi foramde origem amazônica e uma delas emigrou para o sul, alcançando e fusionando-se com os Guaranis, habitantes do Paraguai , formando os Tupiguarani que há 1.000 d.C. começaram a ocupar o litoral brasileiro do sul e central, atingindo a região de Cabo Frio e dominando aos Una.

A distribuição do tronco lingüístico Tupi é ampla, abarcando um conjunto de tribos do Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai, Peru e Uruguai. Assim, o termo “Tupi-guarani” (com hífen) reúne os grupos Guaranis da Bacia de La Plata e nos vales dos rios Uruguai e Paraná, e os grupos Tupis do litoral carioca ou maranhense, chamados tupiniquins e tupinambás. Enquanto, “Tupiguarani” (sem hífen) constituem os achados arqueológicos dos grupos conhecidos etnograficamente. Muitos arqueólogos defendem que os tupiguarani se caracterizavam pela cerâmica policroma e corrugada, contudo, vários grupos tupiguarani não tinham cerâmica na época histórica ou correspondiam a grupos diferentes como os Tapirapé, Mundurucu e os Guayaqui (Prous, 1992).












Há cerca de 1.000 d.C. (ou 970 a.P.), a tradição Tupi-guarani chegou no Estado do Rio de Janeiro pelo curso do rio Paraíba do Sul, fixando-se principalmente ao longo do litoral. Assim, os Una foram desplazados à região de Campos e os Tupiguarani permaneceram até o contato com o europeu, do qual sofreram influências culturais que darão origem a numerosas fases neobrasileiras do Rio de Janeiro, que testemunharam este processo aculturativo e de extermínio da população indígena. Um grande sítio Tupiguarani desta região, ocupado entre 1.000-1.500 d.C., está localizado na Estação de Rádio da Marinha (224.01.50), cujos níveis inferiores foram achadas uma ocupação tipicamente tupiguarani. Buarque (2002) registrou vários sítios deste período na região de Araruama, como a aldeia de Morro Grande, Sítio São José, Serrano e Condomínio Jardim Bela Vista, indicando o avançado processo de destruição.

As aldeias Tupinambás encontravam-se tanto nas imediações do mar, quanto nos morros interioranos que antecedem a Serra do Mar. Hans Staden (1555), descreveu que as aldeias podiam encontrar-se esparsas, a pequena distância umas das outras: Seis milhas, quatro léguas, etc., os índios moravam na estrutura comunal ou maloca e saíam por curtos  períodos durante a pesca ou guerra, período em que a população podia se dividir. As aldeias eram fortificadas, mas somente nas zonas fronteriças de tribos inimigas. As muralhas eram feitas de troncos de árvores ou paliçadas de paus da altura de um homem, com seteiras (no litoral) e de terra que atingiam de 2 ou 2.5m de altura (na Floresta Amazônica). Estas seteiras serviam para defender-se de povos invasores. No caso de sitiar uma aldeia, os agressores fechavam todo o contorno, colocando uma cerca com vegetais espinhosos.

As casas tinham plantas oblongas, retangulares e circulares devido a funções diferentes como lugares de moradia, de armazenagem, de reuniões e prisões. Era uma sociedade tipicamente adaptada à floresta tropical em perpétua migração por causas ideológicas, principalmente por canoas fluviais e marítimas. Eles costumavam morar em área de floresta fechada, tanto da região litorânea como da fluvial, construindo suas malocas ou ocas desde o nível do mar até os 400m de altitude, procurando planícies e áreas próximas à água doce e não gostavam da gelada noturna nem de áreas secas. Os sítios também ocupam a parte superior  da encosta dos morros que dominam um rio principal navegável, geralmente nas imediações das aldeias passavam um córrego ou um canal que fornecia água doce. O rio principal costumava distar  várias centenas de metros até 1 Km. Como exemplo, podemos mencionar as aldeias dos rios Taquara, Paranapanema, São João e Una. Sua economia de subsistência se baseia na agricultura de mandioca, através da técnica da coivara, roça e queima ou “slash-burn”. Portanto, os sítios arqueológicos localizam-se perto dos rios navegáveis e das porções superiores dos cultivos temporários, onde acumularam terra preta e cacos de cerâmica. Eram expertos nadadores, guerreiros e mergulhadores.

Eles gozavam de um bom estado de saúde, eram indivíduos fortes, sadios e bem adaptados aos trópicos. A alimentação dos Tupinambás era variada, comiam de tudo, do piolho à onça, do jacaré a outro índio inimigo, assim como plantas cultivadas, peixes, crustáceos, mariscos, tartarugas e mel, portanto rica em vitaminas, proteínas e grassas, condições essenciais de boa nutrição e que explicam a linha física, a permanência na saúde e a agilidade de seus movimentos. Não eram indivíduos gordos, tinham corpo esguio e forte, alegres, membros bem proporcionados, enxuto de músculos. Seu apetite não conhecia limites. Tinham hábitos higiênicos bem desenvolvidos, desfrutavam do clima tropical agradável e farta alimentação provida pela caça, pesca e coleta sistemática.
      
Tinham várias doenças entoparasitárias, amarelão, opilão e desinterias, também as hipoplasias do esmalte dentário indicavam estados de anemias, elevado grau de cárie dentária, e doenças degenerativas na coluna vertebral, osteomielites por infecções estafilocócicas ou estreptocócicas, assim como freqüentes infecções das cavidades pneumatizadas dos ossos da face, seios maxilares, paranasais e e frontais, principalmente, associando-se a penetração de microorganismos virulentos, causando deficiência de drenagem das secreções, afonia, epistaxe e ferimentos muco-sanguinolentos ou muco-purulentos, inferindo tratar-se claramente de leishmaniose mucosa (25% do material estudado), além de infecções por tungíase.
A freqüente preparação da bebida alcoólica de cauim a base de mandioca, produziu uma elevada abrasão dentária, principalmente dos incisivos, já que a mastigação da casca e a saliva que seria de fermento era a forma típica de preparar a bebida. Esta tradição provinha desde tempos Itaipu. A osteofitose vertebral dos graus I e II, tanto na coluna cervical como lombar, e calcificações nas áreas de inserção de ligamentos e bainhas articulares de adultos, indicando dois padrões diferentes, o estresse por atividade de transporte, carregando o peso na cabeça ou pendurada dela produz a osteofitose da coluna cervical. No entanto, as freqüentes atividades de semeia e de coleta de mandioca, através da técnica da coivara, produzia a osteofitose da coluna lombar. Em comparação com os sambaquis, existe uma maior incidência de 10% de osteofitose vertebral.

Segundo Métraux (1929), os Tupinambás tinham um profundo sentimento da força orientada a luta, preso ao encanto, ao colorido marcial da guerra. Tinham profundo orgulho de seu valor militar, no que  se diferenciava dos outros povos, por eles combatidos e afastados das suas terras como os Una, a fase Mucuri e os Goitacás. A conquista de novos territórios tropicais pelos tupiguarani foi lenta e gradual. Este fato histórico se deveu pela presença de guerreiros que eram espertos navegadores fluviais. Esta expansão cultural e social era impulsionada por questões religiosas e ideológicas, ainda durante o século XVI, continuavam aqueles intensos movimentos sociais.

Finalmente, os Tupiguarani lograram conquistar novas terras por três fatores principais: aldeias, acampamentos e peabirus (extensos caminhos antigos). Acrescentam, ainda, que para o melhor domínio das áreas conquistadas, além da aldeia central, estabelecida junto à orla marítima ou nos morros em forma de meia laranja com visão de 360º da linha horizontal, antes de ser uma preocupação defensiva, tinha que se usar meios ofensivos. Em Cabo Frio, existiam duas grandes aldeias tupiguarani: uma no bairro da Passagem, onde foi construída a antiga praça e a Igreja de São Benedito, e outra, no campo de futebol por trás do Morro da Guia e próximo à Comunidade do Itajurú.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. HISTÓRIA DA REGIÃO DOS LAGOS UNAMAR CABO FRIO
    Como assim?
    O nosso SEGUNDO DISTRITO chama-se TAMOIOS. Não entendo o porque de uma materia dessas, absurdo isso, uma falta de respeito.
    Unamar pertence ao 2º distrito de Cabo Frio no estado do Rio de Janeiro. PERTENCE A TAMOIOS!!!!
    Como se Unamar fosse maior que TAMOIOS, e ainda contando a historia do lugar?! inadmissível isto.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir